Notícias

Menos atrasos e mais segurança

​A gestão correta da triagem e do processo de retirada das bagagens das aeronaves pode evitar atrasos nas operações e garantir redução de custos para as empresas aéreas. Essa é a principal indicação de um projeto aplicativo desenvolvido pelos alunos da Certificação Internacional Aviation Management, promovida pelo SEST SENAT e coordenada pelo ITL (Instituto de Transporte e Logística).

O curso, oferecido de maneira gratuita a gestores do setor aéreo desde 2016, é ministrado pela Embry-Riddle Aeronautical University e integra o Programa Avançado de Capacitação do Transporte.
O projeto analisou os atrasos relativos à Segurança Obrigatória – processo de retirada da bagagem de um passageiro que não embarcou no voo – das companhias aéreas GOL e Latam, no aeroporto de Guarulhos (SP), e comparou com o aeroporto de Chicago (EUA). A análise mostra que, em Guarulhos, existe 4% a menos de pontualidade do que em Chicago, que tem uma taxa de 95,6% de on-time performance – indicador de performance –, enquanto que, em Chicago, a taxa é de 99,9%. 

“O atraso na busca das bagagens tem um impacto muito significativo e afeta todas as etapas e processos, principalmente a pontualidade. Hoje, a empresa aérea tem um custo muito grande em relação a atrasos da retirada da mala do passageiro que não comparece ao embarque. Quando isso acontece, legalmente temos a obrigação de retirar essa mala por questão de segurança. O nosso projeto mostra que podemos aumentar a segurança e diminuir o custo do sistema, além de ser uma fonte a mais de receita para o operador aeroportuário”, explica o gerente de pontualidade da Latam e um dos alunos do curso, Diego Begara.

O trabalho revela que, nos Estados Unidos, nas viagens domésticas e internacionais, os aeroportos possuem inspeção para todas as bagagens. No Brasil, isso só acontece nos voos internacionais. De acordo com Begara, a responsabilidade da inspeção de bagagens é da administradora do aeroporto, e o custo desse trabalho é repassado para as companhias aéreas. “No Brasil, as bagagens são inspecionadas apenas para voos internacionais. De cada bagagem inspecionada, é cobrada uma taxa da empresa aérea. Em Guarulhos, por exemplo, são mais de 30 milhões de passageiros embarcados por ano, e isso aumentaria muito o custo da operação.” A pesquisa realizada para o projeto mostrou que 54% dos passageiros de voos domésticos despacham malas nos aeroportos brasileiros, mesmo depois da instituição da cobrança por esse serviço.

O estudo avaliou, durante seis meses, os números das maiores empresas aéreas do país. “Tivemos 210 horas de atraso nos voos realizados em Guarulhos, em 2017. No comparativo com o aeroporto de Chicago, foram somente nove horas de atraso. Com o projeto implantado em Guarulhos, o impacto potencial seria de 3.900 decolagens atrasadas a menos ao ano no aeroporto.
Entre os motivos de os passageiros despacharem a bagagem e não embarcarem, estão a perda de conexão, a distração por não encontrar o portão de embarque, a demora para realizar os procedimentos de segurança ou a desistência do voo.
A inspeção de bagagens segue regras internacionais estabelecidas pela Icao (Organização da Aviação Civil Internacional). As normas foram criadas a partir do desastre com o avião da Pan Am, em 1988. Na ocasião, uma bomba construída com explosivo plástico foi escondida em uma mala e carregada na aeronave, explodindo durante o voo. Depois do caso, a Icao definiu medidas de segurança específicas relacionadas com a bagagem despachada em voos internacionais.

No Brasil, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) estabeleceu, no seu quadro regulamentar, que o operador deve assegurar que a bagagem despachada possa ser transportada apenas com a confirmação do embarque de passageiros. 
Aluna do curso e gerente de security da GOL Linhas Aéreas, Sabrina Santos, destaca que as companhias aéreas já estão pleiteando, junto à Anac, uma mudança na legislação. “O objetivo desse trabalho é apresentar uma alternativa a essas questões. Está comprovado que a triagem de bagagem despachada no aeroporto de Guarulhos minimizaria atrasos e melhoraria a segurança geral dos voos domésticos.” 

Em nota enviada pela assessoria, a Anac explica que, por questões de segurança, a regulamentação que define os requisitos de inspeção de bagagem despachada é restrita e sigilosa. A nota ainda cita que, de modo geral, as bagagens despachadas em voos domésticos são obrigatoriamente fiscalizadas quando o passageiro não embarca no mesmo voo ou em casos de qualquer suspeita observada pela Polícia Federal ou por outro órgão, pelo aeroporto ou pela empresa aérea. Além disso, a qualquer momento, toda a bagagem doméstica de um voo pode ser requerida para inspeção. 
Relevância

O diretor-executivo do ITL, João Victor Mendes, ressalta que projetos como esse têm contribuído para o desenvolvimento de um novo setor de transporte no Brasil. “São projetos que pensam e trazem soluções para questões essenciais das empresas.”
Em cinco anos de atuação, o ITL já capacitou quase 1.600 gestores de mais de 620 empresas do transporte. Além da Certificação Internacional Aviation Management, o instituto oferece a Especialização em Gestão de Negócios, ministrada pela Fundação Dom Cabral (370 horas), e a Certificação Internacional em Gestão de Sistemas Ferroviários e Metroferroviários, desenvolvida pela Deutsche Bahn.


Repositório Digital

Ficou curioso para acessar o conteúdo do projeto aplicativo sobre a gestão das bagagens nos aeroportos brasileiros? O trabalho pode ser acessado na íntegra no site do Repositório Digital do Transporte. Implantado em dezembro, o Repositório disponibiliza todos os projetos aplicativos dos cursos do Programa Avançado de Capacitação do Transporte.

A pesquisa no site pode ser feita por autor, turma, data de publicação ou temas, como logística, produtividade, custos, estratégia, entre outros. A elaboração da ferramenta foi feita pelo software livre DSpace, um projeto colaborativo da MIT Libraries e da Hewlett-Packard Company, implementado em mais de 1.500 instituições em todo o mundo que divulgam a produção científica.
A solução para a sua empresa pode ser conhecida em um clique.​